Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Miss Unicorn

Pedras no caminho? Eu guardo todas. Um dia vou construir um castelo.

Miss Unicorn

Pedras no caminho? Eu guardo todas. Um dia vou construir um castelo.

Era Uma Vez... com a Mariana

Esta semana, a convidada da rubrica "Era Uma Vez..." é a querida Mariana, do blog "De costas pr'ó mar". Caso ainda não a conheçam, dêem um pulo pelo cantinho dela, onde fala sobre um pouco de tudo.

Sem mais demoras, vamos ver o que a Mariana tem para nos contar:

 

Tenho por hábito verificar o email várias vezes ao dia. E qual não é o meu espanto, quando vejo um email da querida Miss Unicorn! Fiquei muito entusiasmada quando me convidou para participar na sua rubrica que gosto tanto de ler. E, sendo o objetivo dela contar-vos uma história da nossa infância, nada melhor do que a primeira vez que fomos acampar, devia eu ter 5 anos.

Saímos de casa às 9h, para evitar apanhar as longas filas de trânsito tão características da mudança de quinzena. Não aconteceu. Apanhámos um aparatoso acidente na autoestrada que condicionou o trânsito por completo, com Km’s de carros parados. Conclusão: chegámos ao parque de campismo de Armação de Pêra às 17h. Ainda bem que era pequena e não me lembro da seca que devo ter apanhado, livra.

Chegados ao alvéolo onde iríamos montar o nosso pequeno barraco, começou toda a comédia. Primeiro, ninguém sabia montar a tenda, aquelas cheias de ferros para um lado, que depois cruzam em cima, e ainda têm que dar meia volta para martelar no chão. Não havia cá botões milagrosos, nem tendas que se abrem sozinhas. Por isso, devem ter demorado sensivelmente 1h a montar a dita pensão com 2 quartos.

Estava então na altura de arrumar toda a tralha que se tinha trazido: louças, roupas e produtos de higiene, colchões, sacos-cama, comida, televisão e playstation (sim, o meu querido irmão teve que levar a televisão da cozinha para poder estar a jogar dentro de uma tenda com 40º lá dentro). E, como eu não tinha nada mais interessante para fazer, decidi pegar numa mini-vassoura e numa mini-pá e comecei a limpar o espaço. Não a tenda, o espaço exterior, o espaço que estava cheio de terra, de folhas e de coisas que não são apreciadas dentro daquilo que seria a nossa casa durante 15 dias. O pior é que estava uma ligeira ventania. E, alguém foi o salvador da pátria e me tirou aquilo das mãos. Bem dito sejas.

Num outro dia de manhã, acordámos e descobrimos que o meu irmão tinha andado à porrada com uma árvore. Estava escuro, ele não tinha posto os óculos e pimba. A árvore só se defendeu do ataque. Ou ainda no dia mais quente, o carro estava à sombra e assinalava 50º (isto já não é memória minha, infelizmente).

Foi uma semana muito intensa, as memórias são vagas, mas sei que gostei tanto daquilo que este ano voltei ao mesmo parque de campismo. Já não foi para uma tenda, mas o sentimento foi o mesmo. Porque para mim, o verão é um amor para a vida toda.

Beijinhos **

 

Obrigada, Mariana!

5 comentários

Comentar post